Páginas

Mural










22.6.08

João Pacheco de Almeida Prado


(Matéria encontrada por Regina Bauer em um arquivo)


Focalizando hoje a figura de João Pacheco de Almeida Prado, transcrevemos da obra em preparo “Jaú – sua história no passado e no presente”, do professor. Domingos Ruffolo, redator –chefe desta folha, o seguinte:
“ João Pacheco de Almeida Prado, o Joanico Prado, nome pelo qual era conhecido no município de Jaú e alhures, nasceu nesta cidade a 17 de novembro de 1869, sendo seus pais João Pacheco de Almeida Prado e d. Francisca Eufrosina Ferraz de Almeida Prado, aqui chegados em 1867, onde abriram a Fazenda Ibirapitanga. Casou-se a 8 de maio de 1894 com d. Maria da Conceição Cintra Pacheco, residente em Itu, filha do capitão Ladislau Antonio de Araújo Cintra e de d. Escholastica de Almeida Cintra, então fazendeiros em Itapira, neste Estado.
Atingindo sua maioridade, Joanico Prado adquiriu uma gleba de terras incultas, começando aí a sua vida de lavrador. De alma forte e disposto ao trabalho, além de dotado de grande sensibilidade humana, daquelas terras então incultas formou essa modelar Fazenda Nova América. Nessas mesmas terras e em terreno por ele doado, que por coincidência, é exatamente onde está hoje edificado o Grupo Escolar de Pouso Alegre de Baixo, foi instalada a primeira escola daquela localidade, sob a direção do saudoso professor Serapião da Cruz Salgado. Ao Grupo Escolar, em reconhecimento pela obra realizada, o governo do Estado deu o nome de Grupo Escolar João Pacheco de Almeida Prado.
Visando sempre o maior desenvolvimento de Pouso Alegre de Baixo, além de ter dado a sua valiosa contribuição para a difusão do ensino, Joanico Prado ainda concorreu para a construção da Igreja de Santa Luzia, daquela localidade, tendo sido ele o doador do terreno, igreja esta que foi inaugurada em 1921.
Digno representante das qualidades da raça paulista, Joanico Prado foi um homem modesto e simples, possuidor de um coração de ouro e de alma boníssima aberta à prática do bem. Pertencia a essa categoria de “homens bons” para os quais a bondade é um sentimento bastante expressivo e de elevada significa cão.

Nenhum comentário: